Falando sobre TPM
Desculpa feminina ou transtorno?


Por Edwin Karrer


Leia também


A TPM tornou-se um fenômeno cultural na nossa sociedade. Quando uma mulher apresenta determinados comportamentos, já se atribui o rótulo: "tá de TPM". É um assunto de interesse tanto para a mulher, que se vê às voltas com mudanças internas significativas, como para o homem que convive com ela (seja como marido, namorado, irmão, pai, filho, colega de trabalho, etc).

Os hormônios estão envolvidos em boa parte das alterações físicas e emocionais que sofremos. No homem, a testosterona dá as cartas e a coisa acontece com uma certa estabilidade. Na mulher, graças ao estrógeno e à progesterona, muita coisa pode mudar ao longo do mês.

A Tensão Pré-Menstrual (ou Transtorno Pré-Menstrual) é a ocorrência cíclica de sintomas físicos e psicológicos nos dias que antecedem a menstruação. É importante ressaltar que estes sintomas devem sumir com a chegada da menstruação. Caso isto não aconteça, não se trata de TPM, mas de outros problemas que devem ser investigados. Certos quadros psiquiátricos ou clínicos já estabelecidos podem se intensificar neste período e serem, portanto, equivocadamente interpretados como sendo parte da TPM.

Os sintomas psíquicos são muitos e variados. Alguns dos mais frequentes são: ansiedade, irritabilidade, depressão, redução de interesse nas atividades cotidianas e dificuldade de concentração. É comum em muitos casos a mulher chorar ou explodir sem um motivo claro.

A principal causa das mudanças emocionais na TPM está ligada à produção da serotonina, um neurotransmissor que exerce importante influência sobre o nosso humor. Na mulher, diferente do que ocorre com os homens, os hormônios femininos interferem na produção de serotonina, o que explicaria os sintomas psíquicos. Os sintomas físicos ficam por conta da própria ação hormonal.

 

 

"Moço, cuidado com ela! Há que se ter cautela com esta gente que menstrua..." (Elisa Lucinda)

 

Nem todas as mulheres têm TPM. Entre as que apresentam os sintomas, a TPM pode se manifestar em diferentes níveis, cada qual recebendo recomendações específicas.

Nos casos de TPM leve, a prática regular de exercícios físicos proporciona excelentes resultados em relação aos sintomas físicos e psíquicos.

Na TPM moderada, onde normalmente as pessoas mais próximas já esperam que a pessoa fique diferente, além de ser recomendada a prática regular de atividade física, o uso de pílula anticoncepcional pode ajudar na redução das oscilações hormonais (e emocionais).

A TPM severa, onde a rotina e os compromissos do dia a dia chegam a ser comprometidos, é diagnosticada como Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM). Nestes casos, além dos exercícios físicos e da pílula, pode ser necessário um acompanhamento médico com o uso de antidepressivo.

Algumas mulheres escolhem interromper a menstruação como meio de se livrarem dos sintomas, especialmente no caso de TDPM. Isto é feito através do uso ininterrupto de anticoncepcionais. O ideal é passar por uma avaliação médica para se definir a melhor terapêutica em cada caso.

Independente do tratamento adotado, o que toda mulher pode fazer é "dançar conforme a música". A mulher sabe que as alterações hormonais podem provocar mudanças de humor consideráveis. Então, ao invés de se entregar aos impulsos, que tal usar o autoconhecimento a seu favor? Basta aumentar o nível de atenção a si mesma durante a TPM e tomar mais cuidado com o que é dito e feito neste período. Assim, com a prática, vai se tornando possível um maior autocontrole.

 

 

"Conhecer os outros é inteligência, conhecer-se a si próprio é verdadeira sabedoria. Controlar os outros é força, controlar-se a si próprio é verdadeiro poder." (Lao Tsé)

 

Situações tensas e difíceis em termos de relacionamento interpessoal devem ser evitadas nesta fase, como discutir a relação com o parceiro ou fazer uma reunião de feedback com um chefe rabugento. Terminar um relacionamento ou pedir demissão, definitivamente não são boas coisas a se fazer neste período. Melhor esperar passar para evitar possíveis arrependimentos.

No que diz respeito aos homens, uma das coisas mais importantes que precisamos ter em mente sobre este assunto é que piadinhas sobre TPM incomodam e podem prejudicar seriamente um relacionamento. Muitas vezes, dizer algo como "ah, você tá de TPM, só pode" é o suficiente para desencadear uma guerra. Nenhuma mulher gosta de ser tratada como uma descontrolada, especialmente se ela realmente estiver! E caso o parceiro perceba na mulher sintomas mais intensos que necessitem de tratamento, deve aguardar passar a TPM e só então conversar (com jeitinho) sobre a ideia de procurar ajuda profissional.

A TPM não deve ser usada como desculpa para justificar todo e qualquer comportamento impulsivo da mulher, mas é algo sério no universo feminino, que merece a devida atenção tanto por parte da mulher como do homem.

 



Este texto pode ser reproduzido sem finalidade comercial, sob as seguintes condições:
- Identificar claramente o nome do autor.
- Criar link para a url desta página ou informar a url por extenso.
- Comunicar o uso enviando e-mail para edwin.karrer@sobrepsicologia.com.br com informações de data e endereço (ou outra especificação) da publicação.


Gostou desta página?

Então acesse abaixo e
compatilhe com seus amigos
onde você desejar
 

Os comentários aqui no site são feitos via Facebook, por isso você precisa estar logado lá se quiser participar. Certifique-se de que seus comentários não desrespeitem as regras de conduta e postagem contidas em nossos Termos e condições de serviço. Os comentários são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores.
 

Artigos Vídeos Psicoterapia Orientação Profissional Workshops Contatos